Ando numa correria danada e por isso venho ensaiando, sem conseguir,  um tempo para me dedicar ao blog.

Bem, vamos lá:

Idealizado pela jornalista Carol Almeida, o # Eu Sou Gay é um projeto muito bacana contra a intolerância e a favor do amor.

Qualquer um pode participar do projeto, independente da orientação sexual.

Basta enviar uma foto para o e-mail projetoeusougay@gmail.com , com a frase # eu sou gay em qualquer lugar da foto.

As imagens enviadas serão usadas em vídeo-montagem e editadas por Daniel Ribeiro, diretor dos curtas  Café com Leite e Eu Não Quero Voltar Sozinho. O vídeo será divulgado no You tube.

As fotos podem ser enviadas até o dia 1º de Maio.

O site é uma graça, vale a pena conferir:

http://projetoeusougay.wordpress.com/

Transcrevo as palavras da Carol:

“Adriele Camacho de Almeida, 16 anos, foi encontrada morta na pequena cidade de Itarumã, Goiás, no último dia 6. O fazendeiro Cláudio Roberto de Assis, 36 anos, e seus dois filhos, um de 17 e outro de 13 anos, estão detidos e são acusados do assassinato. Segundo o delegado, o crime é de homofobia. Adriele era namorada da filha do fazendeiro que nunca admitiu o relacionamento das duas. E ainda que essa suspeita não se prove verdade, é preciso dizer algo.

Eu conhecia Adriele Camacho de Almeida. E você conhecia também. Porque Adriele somos nós. Assim, com sua morte, morremos um pouco. A menina que aos 16 anos foi, segundo testemunhas, ameaçada de morte e assassinada por namorar uma outra menina, é aquela carta de amor que você teve vergonha de entregar, é o sorriso discreto que veio depois daquele olhar cruzado, é o telefonema que não queríamos desligar. É cada vez mais difícil acreditar, mas tudo indica que Adriele foi vítima de um crime de ódio porque, vulnerável como todos nós, estava amando.

Sem conseguir entender mais nada depois de uma semana de “Bolsonaros”, me perguntei o que era possível ser feito. O que, se Adriele e tantos outros já morreram? Sim, porque estamos falando de um país que acaba de registrar um aumento de mais de 30% em assassinatos de homossexuais, entre gays, lésbicas e travestis.

E me ocorreu que, nessa ideia de que também morremos um pouco quando os nossos se vão, todos, eu, você, pais, filhos e amigos podemos e devemos ser gays. Porque a afirmação de ser gay já deixou de ser uma questão de orientação sexual.

Ser gay é uma questão de posicionamento e atitude diante desse mundo tão miseravelmente cheio de raiva.

Ser gay é ter o seu direito negado. É ser interrompido. Quantos de nós não nos reconhecemos assim?

Quero então compartilhar essa ideia com todos.

Sejamos gays.

Independente de idade, sexo, cor, religião e, sobretudo, independente de orientação sexual, é hora de passar a seguinte mensagem pra fora da janela: #EUSOUGAY …”

Anúncios